publicidade
Teletime
   pesquisa avançada

ANATEL
Cadastre-se e receba TELETIME News no seu email 
Proposta de reestruturação da agência está concluída, diz Bechara
terça-feira, 10 de abril de 2012, 20h02



publicidade

O conselheiro Marcelo Bechara, que relata a proposta de reestruturação do novo regimento interno da Anatel, parece já ter chegado a um modelo final da proposta de estrutura interna da agência que vai levar ao Conselho Diretor provavelmente no próximo dia 19. Segundo o conselheiro, o modelo que melhor parece acomodar as necessidades futuras da agência é baseado em oito superintendências: uma superintendência de competição; uma superintendência de relações com o usuário; uma de planejamento regulatório; uma superintendência de controle de obrigações; uma de outorgas e recursos escassos; uma superintendência de fiscalização; e duas superintendências administrativas, sendo uma de administração e finanças e uma de gestão interna.

Segundo Marcelo Bechara, foram mais de 30 configurações analisadas. "Cada área da agência tem uma visão diferente sobre como seria a melhor modelagem. O desafio foi conseguir acomodar todas as propostas pensando no trabalho da agência de hoje e do futuro", diz. Segundo ele, a grande mudança conceitual é passar a organizar as superintendências da agência por processos em lugar de serviços. "De qualquer forma, essa é a minha proposta, que ainda será avaliada pelo Conselho e, depois disso, passará por um processo de consulta pública", explica Bechara. Ele deve propor que além da consulta pública e da realização de uma audiência pública, também seja aberto um canal de consulta interna para que os próprios funcionários da agência opinem e, eventualmente, realizar uma audiência específica para os colaboradores da Anatel.

Para Bechara, essa reestruturação só está sendo possível agora porque existe, dentro da Anatel, um clima favorável a mudanças, com os próprios funcionários reconhecendo os ganhos que a agência teve com o processo de abertura das reuniões e ampliação dos canais de contato com a sociedade promovidos pela atual gestão. Ainda assim, é preciso lembrar do lado do consumidor, que não tem familiaridade com a Anatel", diz ele. Para ele, ainda é preciso reforçar o conhecimento sobre o funcionamento da agência. "O consumidor é parte do sistema, e mesmo ele tem direitos e deveres estabelecidos em lei", lembra Bechara, ao pontuar como seria a superintendência de relacionamento com o usuário. "A Anatel não é parte do sistema de defesa do consumidor, não é Procon, mas ajuda muito nessa tarefa", diz ele. Mas mais do que isso, a reestruturação da área visa possibilitar que esse contato permanente com o usuário subsidie a ação reguladora da agência. "Os canais de relacionamento com o usuário podem fornecer insumos valiosos para as demais áreas da agência".

Já a superintendência de competição está alinhada com as mudanças no mercado que virão com o Plano Geral de Metas de Competição (PGMC). É ela quem, segundo Bechara, cuidará do modelo de custos, gestão de tarifas, regulação da oferta de rede no atacado e, obviamente, acompanhamento do cenário competitivo do mercado.

A superintendência de planejamento regulatório, na proposta que está sendo desenhada, será a responsável por pensar a evolução dos regulamentos da agência. "Hoje, um regulamento não diz mais respeito a um único serviço ou a apenas uma parte do mercado, e no futuro essa situação se intensificará. Por isso precisamos de planejamento regulatório", explica Bechara. Segundo ele, essa superintendência não terá o monopólio da elaboração de regulamentos. "Todas as áreas da agência podem continuar sugerindo regulamentos específicos, mas quem vai pensar o mercado como um todo é a área de planejamento regulatório".

As demais superintendências propostas funcionarão da seguinte forma: a de controle de obrigações, como o próprio nome diz, acompanhará se as prestadoras estão cumprindo o que está previstos nos regulamentos e contratos, e ficará responsável pela abertura dos Pados; a superintendência de outorgas e recursos escassos cuidará do licenciamento, autorizações e concessões e também da gestão do espectro, planos de numeração, posições orbitais e outros recursos finitos com os quais as agência lida; a superintendência de fiscalização deve se focar nessa atividade, já que não mais cuidará do espectro, mas manterá o vínculo com as regionais. Na parte administrativa, a superintendência de administração deve cuidar do orçamento, finanças e da arrecadação da agência; e a superintendência de gestão interna cuidará dos recursos humanos da Anatel, pessoal e biblioteca.

Sobrecarga

Além da transparência, um dos aspectos originais da proposta de revisão do regimento interno propostos pela conselheira Emília Ribeiro era a de desafogar a atuação do Conselho.

O relator Marcelo Bechara diz que a questão da transparência já está sendo tratada pela agência sem a necessidade de mudar o regimento, apenas alterando algumas práticas que a Anatel adotava antes da presidência de João Rezende.  Essas conquistas serão preservadas no novo regimento, obviamente.

Bechara concorda que o Conselho continua sobrecarregado, sobretudo com os recursos, outorgas de serviços de menos abrangência e avaliação de Pados. Na proposta do novo regimento, explica, haverá a possibilidade de que a outorga de alguns serviços não precise mais passar pelo Conselho. "Isso não quer dizer que o Conselho perca a responsabilidade sobre essas outorgas. O que está sendo delegado para a área técnica é a competência das outorgas".

Outra mudança procedimental deve ser a redução dos recursos ao Conselho. "Não vamos tirar o direito de defesa de ninguém, mas hoje há muitos casos em que as empresas usam o recurso ao Conselho para ganhar tempo, muitas vezes com a mesma argumentação já colocada à área técnica. Isso tira o foco do Conselho de questões mais relevantes".  Outorgas de grandes serviços, termos de ajuste de conduta (TAC), regulamentos e decisões sobre casos que, mesmo pequenos, sejam orientadoras para a área técnica, serão os principais focos do Conselho Diretor.

Para Bechara, a reestruturação tem hoje credibilidade e legitimidade para ser abraçada pela agência e pelas partes reguladas. "Farei uma proposta. Várias virão da consulta pública. Nada é definitivo ainda, mas tenho certeza de que a discussão será bem recebida por todos" .

Samuel Possebon
|   Imprimir   |   Enviar por e-mail   |   (1) Comentários  
OUTROS DESTAQUES

terça-feira, 22 de abril de 2014
16h42 - MARCO CIVIL  Texto é aprovado e segue para sanção presidencial
18h18 - GOVERNANÇA DA INTERNET  Setor de telecomunicações quer mais voz no NetMundial
19h14 - GOVERNANÇA DA INTERNET  "Os EUA querem impor as regras do jogo", diz Martinhão sobre globalização da ICANN
19h50 - GOVERNANÇA DA INTERNET  Proposta final do NetMundial será debatida em quatro grupos de trabalho
18h46 - GOVERNANÇA DA INTERNET  CGI.br divulga lista final de representantes eleitos para o comitê
18h16 - MERCADO  Faturamento da Netflix passa de US$ 1 bilhão no primeiro trimestre
14h18 - LTE  Sky leva banda larga 4G a Teresina
13h48 - EVENTOS  Banco do Brasil, Qualcomm e Sony discutem wearable devices no Tela Viva Móvel

quinta-feira, 17 de abril de 2014
17h42 - RADIODIFUSÃO PÚBLICA  Teles aliviam disputa judicial e fazem pagamento da contribuição destinada à EBC
17h27 - SATÉLITES  Amazonas 4A apresenta falha parcial no sistema elétrico
15h34 - INTERNACIONAL  Telecom Italia renova diretoria e escolhe novo chairman
12h42 - INFRAESTRUTURA  Operadoras móveis vão investir US$ 6,1 bilhões na América Latina em 2014
13h27 - MERCADO  Nokia suspende vendas de tablet Lumia 2520 por problemas no carregador
14h47 - CONVERGÊNCIA  LG lança kit de desenvolvimento para integrar Android e iOS a TVs conectadas

quarta-feira, 16 de abril de 2014
12h25 - MARCO CIVIL  Acordo de líderes leva a votação do projeto para a próxima terça-feira, 22
Conheça as publicações da Converge Comunicações
TELA VIVA NewsPAY-TV NewsTI INSIDE OnlineRevista TELA VIVA
Converge Comunicaes

© Copyright Converge Comunicações. Todos os direitos reservados. A reprodução total ou parcial dos textos, imagens e arquivos deste site por qualquer meio ou forma depende de autorização por escrito da editora. TELETIME é uma propriedade da Converge Comunicações.

(*) Os WEBCASTS e os WHITE PAPERS PATROCINADOS são produtos comerciais, cuja responsabilidade sobre o conteúdo cabe exclusivamente ao patrocinador.

publicidade