publicidade
Teletime
   pesquisa avançada

SEGURANÇA
Cadastre-se e receba TELETIME News no seu email 
Level 3 nega cooperação com governo americano em monitoramento
quinta-feira, 11 de julho de 2013, 19h11



publicidade

Além de operadoras e companhias de Internet, empresas de infraestrutura de telecom também teriam relação com o programa de espionagem Prism, da Agência Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos e do FBI (polícia federal americana). Em resposta às denúncias na imprensa, que ressaltaram um acordo de segurança de rede de 2003 entre a Global Crossing e o governo norte-americano, a Level 3 (que adquiriu a companhia de telecomunicações em 2011) emitiu comunicado nesta quinta-feira, 11, no qual afirma que "várias notícias induzem a conclusões que são factualmente incorretas", negando que houvesse cooperação para o monitoramento da Internet.

Segundo a empresa, de fato, houve, sim, um acordo em 2003 com o chamado "Team Telecom", um coletivo de agências do governo dos Estados Unidos que inclui o departamento de defesa e o departamento de segurança nacional. A parceria teria sido renovada em 2011, justamente quando a Level 3 comprou a Global Crossing. "Em setembro de 2011, pouco depois de fechar a aquisição, a Level 3 assinou um novo acordo com as agências do Team Telecom", explica a empresa. O documento é público e pode ser encontrado no site da Federal Communications Commission (FCC), agência reguladora dos EUA.

"Não há provisionamento nos findados ou existes acordos de segurança de rede que permitam ao governo norte-americano obrigar ou requerer a Level 3, de qualquer forma, a cooperar em vigilância não-autorizada nos EUA ou em solo estrangeiro", declara a companhia. Segundo o comunicado, a parceria visava apenas garantir a integridade dos ativos da fornecedora de telecom naquele país.

A companhia garante que não há nada fora do comum no acordo, comparando com parcerias semelhantes na atuação em outros mercados. "A Level 3 tem negócios em mais de 55 países na América do Norte, Oriente Médio, África, Europa, América Latina e Ásia. Todos os países onde entregamos serviços têm leis e preocupações com segurança, e somos periodicamente procurados por autoridades do governo (local) para cooperar em investigações. Nossa política é a mesma em qualquer lugar. Nós cooperamos com as leis locais aplicáveis enquanto tomamos todos os passos razoáveis para proteger a privacidade de nossos clientes. Em geral, jurisdições que procuram assistência na aplicação de lei ou investigações de segurança proíbem a divulgação da assistência providenciada".

De acordo com denúncias de Edward Snowden ao jornal britânico The Guardian, a Global Crossing teria sido uma das primeiras empresas a aderirem ao programa de monitoramento do governo norte-americano. Já como Level 3, a companhia teria contrato de consultoria com a empresa Booz Allen, que empregava Snowden, e utilizava a rede de terceiros, como a espanhola Telefónica.

Da Redação
|   Imprimir   |   Enviar por e-mail   |   (0) Comentar  
OUTROS DESTAQUES

quinta-feira, 31 de julho de 2014
14h46 - MERCADO  Telefónica vai à Justiça contra determinação do Cade
17h32 - NEGÓCIOS  Anatel aprova integração entre Claro, Embratel e Net; Claro terá capital aberto
18h02 - DIREITOS DO CONSUMIDOR  Associadas da Telcomp derrubam na Justiça obrigações do RGC
11h12 - BALANÇO FINANCEIRO  Lucro líquido da Telefónica cresce 4,9% no trimestre, mas receitas caem
13h19 - BALANÇO FINANCEIRO  Alcatel-Lucent diminui prejuízo e planeja abrir capital de divisão de cabos submarinos
18h17 - TRANSMISSÃO  Ericsson e Vivo assinam acordo para plataforma de vídeo 4K
11h32 - MERCADO  Nokia adquire divisão de ERBs e equipamentos de rede da Panasonic
15h39 - BALANÇO FINANCEIRO  Sony registra prejuízo operacional na divisão de smartphones
16h17 - SERVIÇOS DE SATÉLITE  SES inaugura novo centro operacional nos EUA
17h07 - CARREIRAS  Cisco nomeia novos diretores para canais e setor público
17h15 - ESTRATÉGIA  Oracle adquire TOA, fornecedora de soluções para gestão de serviços de campo
17h43 - BALANÇO FINANCEIRO  Vendas de tablets e smartphones caem e derrubam lucro operacional da Samsung em 24,5%

quarta-feira, 30 de julho de 2014
15h19 - LEGISLAÇÃO  Acesso a dados cadastrais e registros de chamadas é constitucional, diz procurador da República
10h53 - BALANÇO FINANCEIRO  Com nova regra tributária, lucro líquido da Telefônica mais do que dobra no trimestre
16h53 - FINANÇAS E MERCADO  Aumento do lucro da Telefônica é resultado da consolidação da empresa
Conheça as publicações da Converge Comunicações
TELA VIVA NewsPAY-TV NewsTI INSIDE OnlineRevista TELA VIVA
Converge Comunicaes

© Copyright Converge Comunicações. Todos os direitos reservados. A reprodução total ou parcial dos textos, imagens e arquivos deste site por qualquer meio ou forma depende de autorização por escrito da editora. TELETIME é uma propriedade da Converge Comunicações.

(*) Os WEBCASTS e os WHITE PAPERS PATROCINADOS são produtos comerciais, cuja responsabilidade sobre o conteúdo cabe exclusivamente ao patrocinador.

publicidade